terça-feira, 25 de setembro de 2012

Ordem Dominicana



Ordem dos Pregadores



Frades Dominicanos

Convento de La haye aux bonshommes
[Avrillé, França]

“ É sabido que nossa ordem, desde o começo, foi especialmente instituída para pregação e para a salvação das almas. Este é o porque de nossos esforços tenderem principalmente em nos fazer úteis para a alma de nosso próximo. Para este fim específico, esta intimamente unido o ensino e a defesa da verdade da fé católica, ambos ditos por palavras e por numerosos escritos. É necessário então, que nós persigamos este fim pela pregação e pelo ensino da abundancia de nossa contemplação, de acordo com o exemplo de nosso Pai São Domingos quem afim de salvar almas, falava apenas para Deus ou de Deus.” (constituição da Ordem dos Pregadores)

São Domingos de Gusmão

São Domingos (1170-1221) foi um cônego regular na Espanha. Durante uma viajem em 1203 no sul da França, na época infestada de hereges albigenses, ele constatou que o dono da pousada onde ele estava passando a noite era um herege. Imediatamente ele se empenhou em converte-lo e depois de uma noite de discussão, ele conseguiu. Os historiadores marcam este episódio como um dos momentos decisivos na vida de São Domingos. Pouco depois, providenciará o santo a dedicar sua vida pela conversão dos hereges e a fundar a Ordem dos Pregadores, instituída desde sua criação para a pregação doutrinaria contra heresia.


O claustro
Uma Ordem essencialmente apostólica

São Domingos redescobriu o ideal apostólico no curso do seculo XIII, é o golpe de gênio que permitiu-o lançar novamente missões por toda a Cristandade e além. Mas o que é este ideal apostólico? “ Para São Pedro, o ministério consiste antes de tudo na oração, em segundo vem a pregação; a administração dos sacramentos não vêm senão como uma coisa secundária, que os apóstolos  frequentemente deixavam para os diáconos (o sacramento do batismo) ou aos padres (o batismo e outros sacramentos).” (Padre Emanuel, Tratado do ministério eclesiástico, ch.2). Esta é nossa vida dominicana.


O monastério

O cemitério

Oração
“Nós, porém, ocupar-nos-emos totalmente na oração” (Atos 6, 4).

Dominicanos são contemplativos. Nos conventos reinam as observâncias monásticas: Oração litúrgica(oficio recitado solenemente no coro todos os dias), meditação, silêncio, capitulo das culpas( onde cada um se acusa perante a comunidade de faltas exteriores contra as constituições e a vida comum, que estimula a humildade e o fervor da comunidade). Esta vida contemplativa desenvolve sob os cuidados de Nossa Senhora: a meditação do Santo Rosário (confiado pela Virgem Maria à Ordem Dominicana) ilumina as ações do dia.

Estudos monásticos

Pregação


“Nós, porém, ocupar-nos-emos totalmente na oração e no ministério da palavra” (Atos 6, 4). 

Contemplar e dar aos outros o que foi contemplado (Lema da Ordem Dominicana).

Nossa vida contemplativa flui sobre as almas e leva-as a Deus. Assim nosso apostolado não consiste apenas em nossas orações e sacrifícios, estes são exteriorizados por meio da pregação doutrinaria; A Ordem Dominicana teve sempre a missão na Igreja de proteger a verdade, ilustrar e defender o dogma, expor o mistério da fé. É necessário ensinar doutrina, mas é também necessário se defender contra os hereges, pois nosso amor pela verdade é mostrado pelo ódio que nós temo ao erro, de acordo com a fórmula de Tertuliano. Os nomes de Santo Alberto Magno e São Tomás de Aquino vem imediatamente  a memória. E assim, mais recentemente o Pe. Garrigou-Lagrange em Roma ou Pe. Pinon nas Filipinas. Mas algo que deve ser também mencionado é a multidão de apóstolos dominicanos como Beato Afonso Navarette e seus companheiros, mártires no Japão; o grande São Vicente de Ferrer; o ilustre São Pedro de Verona, inquisidor, mártir (+1253) e etc. O apostolado dominicano inclui todas as formas de pregação: missões, retiros, publicações. Quando se considera o presente colapso da Cristandade, é evidente que o trabalho será gigantesco. Mas esta pregação nutrida por uma vida contemplativa e monastica é também preparada por intenso estudo. Diferentemente da vida monastica das demais ordens, na vida dominicana o estudo tem um lugar essencial. Isto foi de fato a grande novidade da Ordem Dominicana durante o século XIII: nos conventos o estudo substituiu o trabalho manual. A verdade que o pregador estuda é a verdade sobrenatural revelada. A ciência dos pregadores é a teologia. Ele estuda principalmente os escritos de São Tomás de Aquino, o mais ilustre filho de São Domingos, quem a Igreja fez seu Doctor Comum. Para ele os estudo constitui uma preparação direta para o ensino e o ministério da palavra, mas isso também o ajuda na meditação da verdade divina. A ciência contemplativa é a ciência da Fé inflamada pela caridade, iluminada pelos dons do Espirito Santo. É a ciência que faz alguém ver tudo com os olhos do próprio Deus.

Administração dos Sacramentos 

“Porque Cristo não me enviou a batizar, mas a pregar”(1 Cor. 1, 17)

O apostolado dos sacramentos é apenas o resultado final do apostolado que não pode consistir essencialmente na administração dos sacramentos mas acima de tudo na preparação das almas para receber o sacramento frutuosamente. A Graça Divina irá cair em solo que foi preparado para recebê-la e isto dará muitos frutos. Uma vez que a vocação do padre dominicano é apostólica, eles administram acima de todos os sacramentos da Eucaristia e da Penitência, e raramente os outros sacramentos, diferentemente dos padres seculares. Eles tem uma missão diferente, esta é a riqueza da Igreja.

Conclusão

Uma Ordem sacerdotal: “Seu Pai Domingos, meu amado filho”, disse Deus a Santa Catarina de Siena, “desejoso de que seus irmãos não tenham outro desejo senão minha honra e a salvação das almas, pela luz da ciência. Esta é a luz que ele desejou para ser o principal objeto de sua Ordem... no intuito de extirpar as heresias que tinham surgido no seu tempo. SEU PAPEL ERA O DO VERBO, MEU UNICO FILHO...” A vida dominicana personifica a mais completa imitação da vida levada por Jesus Cristo durante o tempo que esteve conosco.



O Dominicano é:

Padre no intuito de imitar Nosso Senhor Jesus Cristo, que é o Sumo Sacerdote.
Religioso no intuito de ser padre mais perfeitamente, e de imitar mais corretamente Nosso Senhor Jesus Cristo pobre, casto e obediente.
Contemplativo no intuito de se nutrir em Deus, conhecer através da fé  como Nosso Senhor nutriu a si mesmo pela contemplação de Seu Pai, face a face.
Pregador no intuito de levar a missão da palavra.

Os principais objetos de devoção na Ordem são:

- o Santíssimo Sacramento;
- a Santíssima Virgem Maria, invocada especialmente em seu Rosário - que resume todo o evangelho e toda a doutrina cristã;
- rezar pelas almas do Purgatório.

Irmãos conversos tem um importante papel na Ordem. Seu trabalho assegura o bom funcionamento do lado material da vida em comunidade: a cozinha, a sacristia, o oficio, o jardim, a lavanderia. Eles ajudam no seu lugar, no trabalho comum do apostolado, que eles suportam por sua vida de oração e trabalho consagrado a Deus,  também tem outras tarefas (catecismo, hospitalidade...).


Escola

A confraria do Rosário

A Confraria do Rosário é uma associação destinada a difundir largamente a devoção do Rosário. Ela é muito antiga (uma das primeiras confrarias foi fundada em Valência no ano de 1221, o ano da morte de São Domingos) e muito rica de favores espirituais e de vários privilégios que os Papas não cessaram de conceder a esta devoção.

A filiação à confraria tem três tipos de vantagens:

1- Um amor crescente e uma proteção toda especial de Nossa Senhora.
2- Uma rica participação nos bens espirituais de todos os confrades.
3- Numerosas e preciosas indulgencias.

A ordem terceira
A ordem terceira dominicana, que remonta a São Domingos no século XIII, ainda existe. Ela é composta de fiéis que vivem no mundo, mas desejam alcançar a perfeição cristã conforme o espirito e as diretivas dos frades pregadores. Sua regra foi aprovada pelo santo oficio e tem santificado muitos leigos como Santa Catarina de Siena, Santa Rosa de Lima e tantos outros.

Horários da comunidade



Semana:

4:15- Matinas - Laudes - meditação (30 min.) - missas rezadas
7:35- Duas primeiras aulas
9:30- Prima, Terça, Missa da comunidade
11:15- Terceiro curso
12:20- Sexta- almoço - nona - recreação
15:00- Rosário, seguido de uma hora de aula (eventualmente); depois estudo ou trabalhos manuais.
18:00- Vésperas e jantar
19:15- Completas- meditação (30 min.)
20:30- Se deitar.

Domingos e festas:

10:00- Missa cantada
17:00- Vésperas e adoração ao Santíssimo Sacramento.






***

Uma comunidade dominicana tradicional existe na Franca; esta deseja viver devotamente o espirito de São Domingos e as tradições da Ordem. Todos os padres da comunidade foram ordenados pelo Arcebispo Lefebvre ou pelos bispos sagrados por ele.

Rev. Pe. Innocent Marie, o atual prior com o Bispo A. de Galarreta FSSPX (agosto, A.D.2000)




 Ordem Terceira Dominicana

O que é Ordem Terceira Dominicana?

Como o próprio nome sugere, é a terceira parte da Ordem dos Pregadores. A primeira ordem consiste de padres e frades, que pronunciou os votos solenes de pobreza, castidade e obediência. A segunda ordem consiste de monjas contemplativas que fertilize a sua vida de oração e penitência o apostolado de seus irmãos da grande Ordem. Finalmente, a terceira ordem, ou Ordem Terceira é dividida em Terceira Ordem - Regular, cujos membros vivem sob uma regra religiosa comum (professores dominicanos) e Ordem Terceira Secular. É este último que estamos falando.  Os dominicanos Ordem Terceira é de fato uma associação de fiéis, que vivem no mundo ansiosos para alcançar a perfeição cristã no espírito e nas orientações dos Pregadores. 

Santa Catarina de Siena
Desde o tempo de S. Domingos, havia em torno dos conventos da Ordem, fraternidades de leigos desejosos de progresso espiritual sob o auspício dos Pregadores. Para padronizar o modo de vida de muitos terciários, o Mestre Geral Munio de Zamora escreveu uma Regra, que foi aprovada pela Santa Sé em 1285. Esta regra muito exigente esteve em vigor por séculos. Ela foi modificada por Pio XI em 1923 para ser um pouco adaptada aos dias de hoje e do Direito Canônico de 1917. Ela santificou uma quantidade de leigos dos dois sexos, que eram exemplo de edificação para os seus contemporâneos. 

Santa Rosa de Lima
Entre aquelas almas escolhidas estão: Santa Zedislava Berkiana (1252), uma nobre senhora do reino da Boêmia; a venerável Benoîte Rencurel (1718) pastora de Laus, que foi por 50 anos confidente e instrumento dedicado à Virgem Maria; a princesa Maria Clotilde de Sabóia (1912) filha heróica do Rei de Piedmont, Victor Emmanuel II; Estelle Faguette, a vidente de Pellevoisin; Charlotte, Duquesa de Alençon, morreu vítima de sua devoção com duas outras terciárias no incêndio no Bazar de la Charité (1899); Dupouey Mireille (1932), a esposa modelo e viúva do brilhante oficial de Pierre Dupouey; Tangari Katharina (1989), filha espiritual do Padre Pio, que tem um apostolado heróico na Tchecoslováquia.

Mais conhecidas são as duas santas, Catarina de Siena (1380) e Rosa de Lima (1617). A primeira desempenhou um papel de liderança no retorno dos papas de Avignon para Roma e continua a ser uma guia muito segura e muito emocionante nos caminhos espirituais. Santa Catarina é a padroeira dos dominicanos terciários. A segunda, Santa Rosa, foi a primeira flor de santidade do continente sul-americano.

São Luís de Montfort
Dos Homens do mundo também se destacaram na Ordem Terceira de São Domingos, entre outros, o humilde camponês da Itália: Emile Keller (1909), uma das principais figuras do catolicismo social do século XIX, membro da Alsácia. Ernest Psichari (+ 1914), um jovem oficial, filho de Ernest Renan apóstata, que fez uma conversão ao catolicismo sensacional. Henri Gheon, autor de muitas peças edificantes. Charles de Koninck (1965), decano da Faculdade de Filosofia na Universidade de Laval, em Quebec, um colaborador da revista Intinerário.

Os próprios sacerdotes dão a honra de ser membros da Ordem Terceira de São Domingos: Cônego Nicolau Copérnico, bem conhecido por suas descobertas astronômicas; o Pe. Olier, fundador do Seminário São Sulpício; São Luís Maria de Montfort, apóstolo do Rosário; o Abade de Genettes, pároco de Nossa Senhora das Vitórias, que em 1836 dedicou a sua paróquia ao Santo e Imaculado Coração de Maria; Bispo Gay, auxiliar do cardeal Pie, e autor de livros muito bons de espiritualidade; o falecido Papa Pio XII; o Abade Berto, um teólogo no Conselho do Arcebispo Lefebvre; o Padre Barrielle, SCRC, o primeiro diretor espiritual no Seminário de Ecône, e muitos outros.

Nicolau Copérnico
Juntando-se a família dominicana os participantes tornam-se participantes de todos os méritos acumulados ao longo de oito séculos pela grande ordem religiosa, com quase setenta santos canonizados e mais de duzentos bem-aventurados. A finalidade da Ordem Terceira é proporcionar a santificação pessoal dos seus membros pela prática da vida cristã mais perfeita, e a salvação das almas pelo modo de acordo com o estado dos fiéis que vivem no mundo.  Para atingir este objetivo, além daqueles comuns a todos os cristãos (isto é, a oração, os sacramentos, a prática dos mandamentos de Deus e o cumprimento de seu dever de estado), os meios propostos são: observância da regra, que exige certas orações (litúrgica tanto quanto possível, graças ao pequeno ofício da Santa Virgem), algumas penitências (abster-se de mundanismos e a prática de jejuns em certos dias), obras de apostolado em defesa da fé e da Igreja e obras de caridade (visitar colegas doentes, por exemplo). Associações terciárias em uma localidade são chamados de "fraternidades".  Elas são uma poderosa ajuda para a ascensão ao céu, que hoje se tornou extremamente difícil e dolorosa por causa do resfriamento da caridade e da corrupção em geral.  Mas deixemos a palavra, finalmente, para o Papa Bento XV (Carta de 4 de agosto de 1919):

« O forte desejo de oferecer a salvação às almas, nos leva a indicar para os fiéis os meios de santidade que os protejeriam dos perigos que os ameaçam.  Além disso, exortamos a todos aqueles que desejam santificar-se e santificar o próximo para ajuntar-se sob a bandeira branca de São Domingos, porque, graças à proteção especial da Bem-Aventurada Virgem Maria, sua Ordem teve distintivo exercido ao longo dos séculos e irá exercer ainda maior entre as necessidades do nosso tempo uma missão providencial. » 


Fonte: Grupo São Domingos de Gusmão

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Artigos Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...